Vereadores participam de debate em Brasília sobre os direitos das vítimas de violência

Professor Erquinho e Professor Anderson Muriçoca reuniram-se com ministro do STJ, secretária nacional de Proteção Global do Ministério da Mulher e empresária Luiza Brunet

Nesta quarta-feira (9), o presidente da Câmara de Vereadores, Ercules Rodrigues (Professor Erquinho) e o vereador Anderson Bento de Medeiros (Professor Anderson Muriçoca) participaram da reunião que tratou sobre os direitos das vítimas de violência, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O encontro aconteceu com a presença do ministro do Superior Tribunal de Justiça, Benedito Gonçalves; secretária Nacional de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Mariana Neris; ex-conselheiro e atual membro do Conselho Nacional do Ministério Público, Marcelo Weitzel Rabello de Souza; empresária, atriz, modelo ativista e vítima de violência doméstica, Luiza Brunet; e deputados.

“A pauta que trata de defesa da mulher é uma pauta urgente sempre. Estar próximo de pessoas que entendem a seriedade desse assunto é muito importante, porque refletem em ações concretas em nosso município. Juntamente com o vereador Professor Anderson Muriçoca tive a oportunidade de conversar com a deputada federal Tia Eron, com a empresária e atriz Luiza Brunet, com o deputado federal Felício Laterça e discutir esse assunto que ainda é uma realidade no nosso município, estado e país”, resumiu o chefe do Poder Legislativo, Professor Erquinho.

“Na semana em que o mundo está refletindo sobre a importância da mulher na sociedade, tudo que ela contribui e faz, é importante também termos discussões como essa – que garantem a defesa da mulher. O Dia Internacional da Mulher não pode ser apenas uma data. Tem que refletir em ações concretas e pontuais que vão contribuir para a segurança das mulheres”, acrescentou o vereador Professor Anderson Muriçoca.

De acordo com pesquisa realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), 15% das brasileiras com 16 anos ou mais relataram ter experimentado algum tipo de violência psicológica, física ou sexual - o que equivale a 13,4 milhões de brasileiras.

Isso significa dizer que, a cada minuto do último ano, 25 mulheres foram ofendidas, agredidas física e/ou sexualmente ou ameaçadas no Brasil.

 Assessoria CVMTR
Divulgação Ass. CVMTRfull-width

Comentar

Postagem Anterior Próxima Postagem

Concer