Flores e Espinhos

A vida é um labirinto repleto de espelhos, olhar para si mesmo e para fora do labirinto diante do infinito não é algo simples, pois existem diversos caminhos cobertos por flores e espinhos capazes de causar diversos reflexos, como o que compreendemos e sentimos como dor, entretanto, quando compreendemos mais sobre a dor e aprendemos mais sobre o amor e o praticamos, sentimos menos frio e nos cobrimos com o cobertor capaz de trazer mais conforto,calor e paz.

Caminhamos descalços nos paradoxos...

Tendemos a transitar entre o passado e o que pode vir a ser o futuro, nos esquecendo de vivenciar o presente do presente, do agora. O passado fica na história e o futuro por sua vez será um novo agora.

Possuímos memórias e imaginações, pássaros e dragões, mas cabe a cada um escolher no que irá se tornar, como irá voar.

A existência humana é um labirinto de espelhos diante do infinito no qual transitamos entre os altos e baixos de pés descalços, mas o amor é capaz de criar em nós e no mundo que nos cerca certas camadas de proteções que dependem do que habita no coração e nos corações.

Para refletir a respeito dos altos e baixos da existência humana, sobre as flores e espinhos dos caminhos, compartilho o poema “A Flor do Amor”, poema de minha autoria.


A Flor do Amor

Para o ódio e para as amarguras do rancor, que refletem variadas formas de dor, estendo a mão oferecendo a flor do amor.

Flor que carrega os seus espinhos de tanto que sangrou e chorou.

Na verdade, rosas não se calam. Falam.

Ah, como falam...

A causa da sangria foi nobre.

Ela perdoou e desabrochou.

Por Jhean Garcia
Imagens: Reprodução

Comentar

Postagem Anterior Próxima Postagem

Concer