Prefeito Joa participa de ato no Palácio Guanabara em memória às vítimas de Petrópolis


A Prefeitura de Três Rios foi representada pelo chefe do executivo trirriense, Joa, no ato em memória às vítimas da tragédia de Petrópolis.

O evento ocorreu nos jardins do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, Zona Sul carioca. Cerca de mil convidados assistiram à cerimônia, conduzida pelo Dom Gregório Paixão, bispo diocesano da cidade serrana, e pelo capelão do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ), tenente-coronel Wagner Toledo.

O Prefeito Joa falou da emoção de estar presente no evento realizado em homenagem a tantas famílias que foram separadas em uma das maiores tragédias naturais do Estado do Rio de Janeiro.

“Temos que ao menos tentar nos colocar na mesma condição do nosso semelhante. Venho de uma família que tem muita fé, católicos, e aprendemos a respeitar a dor das pessoas. Esse evento, promovido pelo Governo do Estado, liderado pelo Governador Cláudio Castro, é um ato de fé, de reconhecimento àqueles que estiveram salvando vidas e de respeito ao cidadão petropolitano, que sofreu e viu de perto suas vidas com marcas e lembranças de dor que perdurarão para sempre. Ficam aqui minhas condolências e orações. Parabéns a toda equipe do Governo do Estado do Rio, aos heróis dos Corpo de Bombeiros e todos aqueles que estiveram envolvidos direto e indiretamente na assistência às vítimas”, comentou o prefeito Joa, acompanhado do secretário de Assistência Social e Direitos Humanos de Três Rios, Pedro Henrique Brasil.

O governador expressou seu sentimento de pesar pelas mortes e destacou o apoio do Governo do Estado às famílias e sobreviventes.

“Ao lembrar da tragédia, cada vida perdida será uma cicatriz na nossa alma. Mas ver cada cidadão sendo atendido e recebendo a ajuda do Estado mostra a importância desse trabalho. Temos uma responsabilidade e um compromisso: não sair da cidade antes que Petrópolis tenha retornado à sua normalidade. Além disso, seguiremos com os projetos de infraestrutura, ambiente e de habitação”, afirmou Castro.

Durante a missa, marcada por "toque de silêncio" e um clima de emoção e solidariedade pelos 233 mortos na catástrofe - ainda há quatro pessoas desaparecidas no Morro da Oficina e em rios da cidade -, foi lida uma nota de pesar do comando-geral do Corpo de Bombeiros, após execução do Hino Soldado do Fogo.

O toque de silêncio foi replicado por todos os quartéis do estado ao mesmo tempo, em sinal de condolência às vítimas e seus familiares.



Secom PMTRfull-width

Comentar

Postagem Anterior Próxima Postagem

Concer