Ensaios técnicos das escolas de samba do Especial na Sapucaí são adiados



Com previsão inicial para a segunda quinzena deste mês de janeiro na Marquês de Sapucaí, os ensaios técnicos das escolas de samba do Grupo Especial foram adiados por decisão da Liesa em comum acordo com a Riotur.

Segundo a Liesa, umas das causas são as obras que ocorrem na avenida, onde, no cronograma previsto, ainda faltam o recapeamento do afasto e a substituição dos bueiros por outros maiores.

Com isso, a previsão é que a Sapucaí esteja pronta somente no fim de janeiro ou no início de fevereiro. Dessa forma, os ensaios técnicos só teriam três datas: 6, 13 e 20 (sempre aos domingos).

Outra preocupação dos organizadores do espetáculo, é o cenário epidemiológico da capital fluminense. O Presidente da Liesa, Jorge Perlingeiro, em entrevista ao Jornal Extra, afirmou estar avaliando o acesso ao ensaios técnicos por causa da covid-19, um evento que é aberto ao público.

Não há como pedir o comprovante de vacinação na entrada dos ensaios técnicos, segundo o dirigente, por ser gratuito e sem controle por catracas.

“Precisamos diferenciar as coisas. O baile de carnaval você tem como cobrar exame e o passaporte da vacinação. Mesma coisa na Sapucaí. Por acaso, se não pudesse acontecer a Sapucaí, o Flamengo também não poderia jogar no Maracanã. Tem o estádio do futebol e o estádio do samba. As escolas de samba estão ensaiando nas ruas e não existe nenhuma restrição”, disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes, em entrevista à Rádio CBN na última quarta-feira (29).

“Os ensaios técnicos são abertos ao público justamente para aqueles que não vão conseguir ir aos dias de desfiles porque não conseguiram ingresso. E não tem como controlar o acesso. Sabemos que haverá controle nos dias de desfiles do carnaval, mas no ensaio, não. Vamos acompanhar o cenário da pandemia até lá. O público do ensaio técnico é diferente do público que vai ao desfile. No ensaio não paga, é gratuito. Já no desfile tem catraca. Eles pagaram pelo ingresso. Tem como cobrar algo. Não tem essa possibilidade no ensaio”.


Secretário confirma restrição sanitária

O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, em entrevista ao telejornal 360o, da CNN, deixou claro que o carnaval carioca terá restrição sanitária, que ainda vai ser definida pela Prefeitura do Rio com autoridades científicas.

“O carnaval é uma festa importante para cidade do Rio de Janeiro. Só que mais importante é termos a segurança sanitária na cidade. A expectativa da Prefeitura do Rio é analisar o que vai acontecer com a Covid-19 nesses primeiros dias de janeiro. Se a variante Ômicron vai produzir um aumento de casos expressivos e se causa mais internações e óbitos. A princípio era parece que causa menos casos graves do que as demais. Vamos analisar para podermos dar todas regras que vão acontecer no carnaval. Terá que ter algum tipo de regra sanitária e não poderá ser igual aos demais. Vamos reunir o Comitê Científico para ver como isso vai funcionar”, disse o secretário Soranz.

Segundo a CNN, o governador Cláudio Castro decidiu proibir o carnaval de rua no Estado e liberar os desfiles na Marquês de Sapucaí com os protocolos sanitários. 

Com informações do site Carnaval Nº 1
Foto: Reproduçãofull-width

Comentar

Postagem Anterior Próxima Postagem

Concer